Ar condicionado na praia

Por Sérgio Xavier

Sabe aquele casaquinho de nylon bem fininho que bem dobrado cabe no bolso da calça? O nome técnico dele é corta-vento, mas eu o apelidei de “SOS Rio”. Essa levíssima peça de roupa tem me salvado nas minhas andanças pela cidade maravilhosa. O Rio continua lindo e quente pra dedéu, é verdade, mas o carioca médio não se conforma com o aquecimento global e local. Ele combate o problema com resfriamento brutal e implacável. Sempre que possível ele usará seu raio congelante. Em casa, no carro, no cinema, no escritório, no metrô, onde estiver, o ar condicionado estará na temperatura mínima e na velocidade máxima.

Quarenta graus lá fora e 16 graus aqui é quase um mantra carioca. Odeio o calor, ando pela sombra, estou longe de ser friorento. Mas não consigo entender essa tara pelo contraste. Por que baixar tanto a temperatura interna? É mais maluco ainda quando no inverno carioca, em uns agradáveis 20 graus, escuto o motorista se queixar da onda de frio na cidade enquanto seu táxi está em uns 16 graus com direito a ventania no painel.

O meu corta-vento, quer dizer, meu “SOS Rio”, tem me salvado de boas. Saco ele da mochila sempre que necessário e volto a me sentir bem. Ainda vou entender melhor a psiquê a carioca e conseguir captar o fenômeno. Mas antes preciso da ajuda dos confrades aqui para me explicar um outro fenômeno (podem responder pelo Twitter mesmo, no @sxavierfilho).

Aconteceu na manhã de hoje quando corria na Barra da Tijuca. Sem sol, a temperatura estava agradabilíssima, sobretudo para o verão. Era coisa de 20 graus, quase sem vento. Mas a medida que me aproximava do final da Barra, para o lado do Recreio, vinham umas rajadas de vento frio, sensação de uns três graus centígrados abaixo. Aliás, a sensação era exatamente a mesma de estar numa estação e de repente entrar no vagão do metrô. Sensação de… ar condicionado ligado. Pode?

As rajadas aconteciam justamente quando havia espaço entre os prédios. Entendo o vento maior, não a diferença de temperatura. Como funciona isso? O ar mais frio vem do mar ou das montanhas? Os prédios criam uma barreira e o ar esquenta? Algum especialista que possa me ajudar a entender? Só não venham me dizer que algum carioca esperto inventou um ar condicionado gigante na Barra da Tijuca, essa não…